fique por dentro

Loading...

terça-feira, 16 de setembro de 2014

O DIA EM QUE CHEGUEI ATRASADO À SANTA CEIA...

Um quadro misterioso... e lindo.
Ver, ao vivo, a pintura da Santa Ceia é para poucos privilegiados.

Não estou falando isso para me gabar ou algo do gênero mas, sim pelo fato de que a concorrência para se comprar os ingressos pela Internet é muito grande e esse é o único jeito de apreciar essa obra do mestre Leonardo Da Vinci.

Estando em Milão e, embora não tenha sido convidado para a Santa Ceia, resolvi aparecer de surpresa. Não sabia que o ingresso só podia ser adquirido pela Internet. Em frente à Catedral Duommo, comprei um mapa da cidade na banca de jornais, parei, calculei a distância, o trajeto e saí caminhando. A primeira parada foi o Castelo di Sforza.

Dalí, peguei a esquerda e fui à procura do Cenaculo Vinciano, local que abriga a pintura. Andei e andei e nada de achar o local. De uma hora para outra, a batata da perna direita resolveu doer. A velocidade diminuiu, a canseira aumentou e batata quase assou.

Depois de andar por uns 40 minutos, parei e resolvi estudar atentamente o mapa. Foi aí que percebi que até aquele momento, estava lendo o mapa de cabeça para baixo. Mesmo com a perna doendo, sentei numa mureta e comecei a rir sozinho. Parecia um tonto...rsrs

Com o mapa na posição certa, fui para o lado certo. Ufa. Em minutos, já estava na porta do Museu, um antigo convento onde, na parede de seu refeitório, Da Vinci pintou a magnífica obra. Todo feliz fui direto ao balcão e pedi um ingresso. Claro que a resposta foi não. Ingresso só pela internet e com horário agendado. São permitidas apenas 15 pessoas por vez, a cada 15 minutos.

Já era perto das 13 horas. Perguntei se havia previsão de ingressos para os próximos dias e a resposta também foi um sonoro não. Foi nessa hora que um verdadeiro milagre aconteceu. Ao me virar para sair, fui abordado por uma japonesa bem simpática que, do nada, me ofereceu um ingresso para as 13h30 !

Nem acreditei. Claro que disse sim e perguntei o valor, achando que ela poderia cobrar um valor maior. Daí aconteceu um segundo milagre: "você me paga apenas o valor que paguei", disse ela. Confesso que fiquei emocionado e agradecido. Ela explicou que havia sobrado aquele único ingresso do seu grupo.

Aguardei o meu horário, entrei, vi a obra, me emocionei e, 15 minutos depois, saí da sala. Já fora do prédio, sentei-me na calçada e fiquei por alguns minutos refletindo o acontecido. Entendi que ler o mapa de ponta cabeça e sentir dor na batata da perna foram as estratégias utilizadas para me atrasar.
Se eu tivesse acertado o local de primeira, chegaria 1 hora mais cedo e não encontraria aquele anjo nipônico. São coisas inexplicáveis e maravilhosas.

Quanto à dor na perna ? depois da visita, até isso sumiu...

EU VIAJO POR CULPA DO MEU SOFÁ.

Sofá novo ou viagem ? tem dúvida ?
Você acredita que esse singelo jogo de sofás foi o "culpado" por duas grandes viagens internacionais ? É a mais pura verdade. Vou contar um pouco dessa história.

Esses sofás estão comigo desde 2008 e vieram direto da loja Etna. Não são muito confortáveis, mas dá para o gasto. A vantagem é que eles são "meio" transformers: basta puxar o assento e, voilá, viram camas.

No final de 2009 pensei em me livrar deles e comecei a pesquisar novos modelos. Queria um sofá maior, com encosto reclinável, tipo mega conforto.

Mas, a minha lista de opcionais ia diminuindo à medida que eu via os valores: 2 mil... 3 mil reais... 5 mil.

Nessa época já estava em curso a criação do meu blog de viagem, o Mochileiro40tao.
Ao me deparar com esses preços, caí na besteira - ou na felicidade - de começar a compará-los com o valor das passagens aéreas. Por diversão, passei a batizar cada modelo com o nome de uma cidade: Lisboa, Londres, Roma, etc...

Um dia quase caí na tentação de comprar um que custava mais de 3 mil reais. Segundos antes de fechar negócio, o lado viajante pesou e vi que, com esse dinheiro eu poderia viajar para a Itália.

Foi exatamente o que fiz. Com mais um pouco de grana guardada, viajei por 17 dias pela Itália e Suíça. Fui de Nápoles à Veneza, passando por Berna (Suíça) curtindo os trens, dormindo em hostel e visitando monumentos que, até aquele momento, conhecia apenas por fotos de revistas e livros.

Em Roma, lembro-me de ter sentado em uma enorme pedra com mais de 2 mil anos no interior do Coliseo. Essa foi a hora que parei, descansei, agradeci e aprendi.
Graças à Deus estou neste local e sentado nessa pedra. Poderia estar em casa, sentado no sofá vendo um documentário na TV. Que chato !

A pedra nem de longe era confortável, mas eu estava lá, vendo e sentindo ao vivo aquele magnífico local. O sofá vermelho continua lá em casa, firme, forte e sempre motivador. Em 2010, ele foi um dos responsáveis por uma nova e grande viagem. Mas isso eu conto depois...

sexta-feira, 27 de junho de 2014

VÍDEO DA SEMANA: VAMOS DAR UMA VOLTA EM FLORENÇA ?

A cidade de Florença é conhecida como o berço do Renascimento. No passado, artistas como Leonardo Da Vinci, Michelangelo e outros grandes nomes da arte circulavam alegremente por suas ruas. A cidade está localizada na região da Toscana, famosa por suas paisagens, vinhos e boa comida.

Clique no vídeo e conheça um pouco mais sobre essa linda cidade.



quinta-feira, 26 de junho de 2014

ALEXANDRE III - A PONTE MAIS BELA DE PARIS

Detalhe de uma das colunas da Ponte Alexandre III
Paris é famosa por inúmeras atrações, entre elas, suas pontes. Para mim, uma das mais bonitas é a Ponte Alexandre III com suas inúmeras esculturas douradas e arquitetura.

Como não poderia deixar de ser, ela atravessa o Rio Sena e compõem o conjunto arquitetônico ao lado do Grande Palácio e Pequeno Palácio.

Sua construção foi iniciada em 1896 e marcou a aliança entre a França e Rússia, daí a homenagem ao Czar Alexandre III. O que chama atenção nessa ponte são as gigantescas estátuas de querubins, ninfas e cavalos alados. Todas essas obras dão um visual incrível para a produção de lindas fotos.

O difícil é escolher os infinitos ângulos para as fotos.
Por sua beleza, a ponte Alexandre III também atraí inúmeros noivos e noivas devidamente paramentados para fotos, e isso não é nenhuma cena rara. Basta apenas que o dia esteja bonito.

Essa ponte também foi cenário de inúmeros filmes, entre eles, Meia Noite em Paris (cena final). É por esse e outros espaços que a cidade de Paris se destaca e se torna uma excelente opção de viagem.

Além disso, visitar essa e outras pontes não precisa de dinheiro, basta um mapa e disposição para caminhar pela cidade.

Ao fundo, o Grande Palácio.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

TURISMO HISTÓRICO: ALGUMAS CURIOSIDADES SOBRE O RAMAL FERROVIÁRIO ITATIBENSE.

Antiga estação Paraizo.
O ramal Itatibense, embora curto, foi uma das principais vias de acesso para o desenvolvimento dos estados de São Paulo e Minas Gerais.

Durante alguns anos, esse pequeno trecho de 20 km possibilitou a comunicação entre as cidades do sul de Minas Gerais com São Paulo, Campinas e o Porto de Santos.

Durante a Revolução de 32, essa linha foi muito utilizada para o transporte dos soldados paulistas que rumavam em direção à Bragança Paulista na tentativa de "segurar" a invasão do exército mineiro.

Outras curiosidades sobre esse ramal:


  • A baixa velocidade dos trens e o terreno íngreme faziam com que a viagem durasse até 2 horas para ir de Louveira à Itatiba;
  • O ramal foi oficialmente paralisado em 1953 após anos de funcionamento deficitário;
  • Ainda restam alguns pedaços de muro e plataformas das estações espalhados ao longo da Rodovia Romildo Prado;
  • Mais informações sobre este ramal você pode conferir no Documentário "Gare Louveira"
  • O trajeto do ramal era semelhante ao trajeto atual da Rod. Romildo Prado

sábado, 21 de junho de 2014

PARA QUEM É FÃ DO DOCTOR WHO...

Mais um pouco entrava nela e sumia...kkk
Doctor Who. Você o conhece ? Não ? É uma pena pois trata-se de um dos seriados de ficção mais antigo da TV mundial além de ser um ícone da cultura britânica. Produzido pela BBC, a série conta as aventuras do último Senhor do Tempo, um doutor meio maluco porém genial que viaja em sua máquina do tempo x espaço chamada TARDIS (essa cabine da foto ao lado).

Nos últimos anos, a série passou a ganhar espaço em outros países, principalmente nos Estados Unidos, graças a uma eficiente ação de marketing. Até os personagens nerds da série americana Big Bang Theory já reverenciaram a série em diversos episódios.

Porém, quem vai para Londres na esperança de achar a famosa cabine azul e tirar umas fotos ao lado dela, fica um pouco decepcionado. Procurei bastante e, finalmente, a encontrei.

O jeito mais fácil  de resolver isso, seria visitar os estúdios da BBC e o parque temático da série na cidade de Cardiff, porém, um pouco longe de Londres.
http://www.doctorwhoexperience.com

Encontrei essa cabine em uma loja de lembranças, bem próxima à estação de metrô Baker Street. Como referência para se achar a loja, há uma estátua de Sherlok Holmes bem em frente a essa loja. Na outra quadra, você tem o Museu de Cera de Madame Tussard's. Aí fica mais fácil.

Essa cabine é, na verdade, um quiosque de produtos da série. No dia que passei haviam poucos itens interessantes. Como o meu objetivo era levar uma TARDIS, acabei comprando um cofrinho de aço por 8 pounds.

Whomaniacs, está aí a dica...

quarta-feira, 18 de junho de 2014

OS NOSSOS - E OS VOSSOS - PROBLEMAS...

Aeroportos brasileiros: faltam metrôs interligando.
Na semana passada a revista britânica The Economist publicou uma matéria falando sobre os problemas do Brasil, comparando-os com as dificuldades encontradas em outras grandes cidades.

Com o título "Traffic and tempers" (trânsito e humores), a matéria compara, através de depoimentos de vários turistas estrangeiros que os problemas brasileiros são idênticos aos de seus países. Trânsito, aeroportos, burocracia não são privilégios apenas dos brasileiros, mas de todo o mundo.

Não vou afirmar que lá fora tudo funciona às mil maravilhas. Há problemas, e muitos. Na Europa, por exemplo, a questão do aumento de imigrantes africanos e do leste europeu somada à crise econômica e envelhecimento da população, vem modificando o "estilo primeiro mundo" de se viver. Hoje franceses, italianos e ingleses, por exemplo, convivem com pedintes, batedores de carteira e outros problemas sociais muito comuns no Brasil.

Outro fator que deve se levar em conta é que, quando se está viajando à turismo, tudo se transforma ao seu redor. Se isso acontece com os brasileiros que vão lá pra fora, acontece com os turistas estrangeiros que aqui chegam. O que faz com que o gringo fique admirado e fã do Brasil é, sem dúvida, o jeito carinhoso do brasileiro ao receber os visitantes, a nossa comida, o sol, o calor, as praias, enfim, um conjunto único que é capaz de esconder muitas falhas e defeitos do dia-a-dia.
Praia, sol e dinheiro no bolso: precisa de mais alguma coisa ?

Outro ponto importante e que faz muita diferença, é que o gringo chega ao país carregando moedas fortes, o que faz com que o custo da viagem fique bem mais atraente.

Para quem vive diariamente a batalha dos metrôs e ônibus paulistas e cariocas, a coisa é muito diferente. Tem ônibus cheios em Paris ? claro que tem, mas em compensação, tem muitos veículos e linhas à sua disposição. Faltam táxis nos aeroportos brasileiros ? Além de táxi faltam ônibus, trens e metrôs ligando o aeroporto ao centro da cidade, como acontece com a maioria dos aeroportos do exterior. Aliás, lá fora os turistas até evitam usar os táxis. Como há opções mais baratas como os ônibus e trens, os táxis são usados como último recurso.

Na verdade, o que vem desanimando e cansando o brasileiro é uma série de fatores: infra-estrutura falha, políticos corruptos, violência, impunidade, altos impostos x baixo retorno, saúde, etc. Passar um mês por aqui com dinheiro no bolso, sol, praias e mulheres bonitas é fácil. O difícil é conviver diariamente com os problemas e sem para onde correr.

Matéria publicada no UOL.
http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2014/06/13/gringos-provam-que-os-problemas-nao-sao-so-no-brasil-e-reclamam-tambem.htm