Seguro

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Usando lan house no exterior...


Em 2010, quando viajei para a Europa pela primeira vez, achei que seria prático e fácil usar a internet em lan house ou até mesmo dentro dos albergues por onde passei. Não levei notebook e fiquei à mercê dos computadores públicos. O detalhe é que, diferente do Brasil, é normal usar e abusar das redes wi-fi gratuitas dos restaurantes e, até mesmo, dos albergues. 

Me enganei redondamente e paguei caro pelas horas de acesso nos computadores públicos - cerca de 3 euros a hora - isso sem contar que nunca achei os acentos no teclado. Descarregar foto ou enviar e-mail também dava um pouco de trabalho. Depois de umas horas, notei que todos os mochileiros andavam felizes e contentes com seus notebooks e netbooks. Só lembrando que em 2010 o tablet ainda não era popular. Mas, de qualquer forma, estando com um computador portátil era só apertar o botão e se conectar gratuitamente.

Gastei uma grana com os cartões pré-pagos de acesso à rede mundial. Cada cartão gasto era um passeio a menos ou uma lembrancinha perdida. No total, foram quase 50 euros em internet nos 17 dias, dinheiro suficiente para encher a mochila de vinhos italianos, salames e queijos. Ainda bem que as experiências negativas servem para você aprender a não errar no futuro.

No ano seguinte, passei a viajar equipado. Primeiro com um netbook da HP e depois com o iPad. Claro que, de 2010 até hoje, os dispositivos móveis se tornaram comuns e baratos. Mas, o que levar hoje na mochila ? Bom, qualquer dispositivo, menos o notebook. Pesado e pouco prático, você será considerado um ET em qualquer lugar que resolver abrir a tampa da máquina para navegar.

Se o seu smartphone tem conexão wi-fi, ótimo. É só pedir a senha na recepção do albergue e se conectar. O mesmo vale para os tablets. No geral, a velocidade da internet é alta e você não terá dificuldades em usar o skype, por exemplo.

Agora, se você resolveu teimar e decidiu não levar nenhum equipamento, se prepare para conhecer as lan houses européias. Não se assuste, mas você acabará, muitas vezes, em lojas escuras e muito feias. Uma boa parte dessas lojas pertence a árabes ou indianos que montam esses locais justamente para atender à uma população muito pobre e que não tem condição de comprar seu computador muito menos assinar uma internet. Além da falta de limpeza e higiene do local, outro problema, até mais sério é a segurança de suas senhas ou número do cartão de crédito.

A dica é aproveitar a viagem e comprar o seu smartphone ou iPad lá fora. Além de pagar mais barato, você terá um dispositivo pronto para usar em qualquer lugar onde estiver.


Eduardo Sona é jornalista e apresentador de TV. Acesse o blog www.mochileiro40tao.com