Seguro

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

DINHEIRO FALSO EM PARIS...

Muitas lojas da Holanda e da França não aceitam notas de
50 e 100 Euros por causa das falsificações.
A imagem que o turista brasileiro tem dos países do primeiro mundo é o da coisa certa, da honestidade, da ética. Meu amigo, estamos em pleno século 21 e tenha a certeza de que os pilantras estão em todos os lugares.

É muito comum ouvir relatos de golpes, roubos de câmeras fotográficas, etc. A violência, claro, não se compara com a que muitos vivem no Brasil como os roubos de bicicletas seguidos de morte, por exemplo. Nesta postagem vou relatar um caso de nota falsa.

Aliás, esse golpe está ficando muito comum em toda Europa à ponto de inúmeras lojas holandesas e francesas se recusarem a receber as notas de 50 e 100 euros.

O dinheiro falso

Loja da Monop', próximo à Gare De L'est
No final do dia, eu e minha irmã fomos ao mercado MONOP', próximo à Gare de L'est comprar uma salada. Ela pagou as compras com uma nota de 100 euros e guardou o troco.

No dia seguinte, na loja de brindes do Jardim de Monet, ao pagar uma compra, a nota de 50 euros foi gentilmente recusada pela caixa que nada disse, apenas entregou o dinheiro de volta.

Já em Paris, paramos em um Carrefour e, ao tentar pagar as compras, a nota foi novamente recusada. Pior, a caixa deu escândalo e devolveu o dinheiro gritando. Como minha irmã não fala francês, fui lá e conversei com o segurança que explicou que se tratava de uma nota falsa. Ele disse ainda que esse tipo de crime é muito comum nas regiões das estações de trem.

Decidimos ir ao mercado MONOP' para tirar a prova e resolver a questão. Na primeira tentativa, o gerente tentou passar uma lábia e jogar a solução para o dia seguinte. Não funcionou e batemos o pé. O caixa que deu essa nota falsa de troco - e gerente da noite - estaria na loja às 18h. As 18h30 estávamos por lá, munidos de recibo e com "sangue no zóio". Só que antes de irmos e com a ajuda do gerente do hotel, checamos se realmente a nota era falsa. Era... muito falsa.

O gerente do mercado já havia separado o vídeo do caixa e me levou para a sala de segurança para mostrar. Disse que seus equipamentos eram muitos bons e que todas as notas grandes eram checadas em um detector infalível de dinheiro falso. No vídeo, aparece ele testando a nota de 100 da minha irmã e dando o troco da compra. Pensei comigo: bom, será que pegamos esse dinheiro em outro lugar e vou passar uma vergonha à francesa ?

Cheio de razão, o gerente me levou para o caixa e fez questão de passar a nota falsa no detector. Na primeira, luz verde. Ele olhou pra mim e disse: olhe só, é verdadeira ! Na hora, aliviado emendei: "ótimo, então troque pra mim."

Na segunda tentativa, luz verde de novo. Reforcei: "ótimo, me dê outra nota então."

Na terceira tentativa: luz vermelha. Hummmm. Outra vez, luz vermelha. Na hora, ri muito por dentro. A cara do gerente, até então cheio de si, literalmente foi parar embaixo do balcão de  brioche. Os funcionários se olhavam e falavam sem parar. E eu e minha irmã ? cruzamos os braços e ficamos assistindo a cena.

Quando viram que a razão já tinha ido para as cucuias, abriram o caixa e me deram uma outra nota novinha de 50 euros além, é claro, de pedidos de desculpas. Para não deixar barato, peguei a nota e passei, por várias vezes, no detector. Ao chegar no hotel, o gerente fez mais testes e confirmou: desta vez era verdadeira.

Dica: guarde seus recibos de compras para eventuais perrengues como esse e, da mesma maneira que eles checam o seu dinheiro, analise bem as notas grandes recebidas como troco. Depois desse episódio, em todas as lojas onde eles testavam as minhas notas, eu pedia que eles testassem as notas maiores que vinham como troco. Afinal, chumbo trocado não dói.