Seguro

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Vaticano e seus museus

La Pietá
Estou escrevendo esse post numa lan house em frente ao Vaticano. Uma chuva fria atrapalha o trânsito e, como estou sem guarda-chuvas, o jeito é postar mesmo.
Acabei de sair do Museo do Vaticano, ou Museus como queiram, Capela Sistina e todas as maravilhas que, até algumas horas atrás, só conhecia através de livros e documentários de TV.
Tudo e gigantesco, lindo e perfeito. Comecei pela Basílica de São Pedro, a bela estátua de La Pietá, as gigantescas imagens de santos e anjos, os corpos embalsamos dos papas, as capelas, a energia fortíssima do local e a fé de centenas de milhares de pessoas que passam por aqui todos os dias, semanas e anos.
São séculos de história ali, bem na sua frente. A Basílica e fantástica, gigantesca e dá a dimensão exata da divina capacidade do homem. Ali, Deus provou que fez do homem um ser perfeito, inteligente.
Porque, para construir tudo aquilo, só sendo divino mesmo.
Da Basílica, fui para os Museos do Vaticano. O local reúne as principais obras antigas da face da terra e o maior acervo de obras de arte do mundo.
Estátuas, pedras e mais pedras.
Não dá para não se emocionar ao entrar na Capela Sistina. Impressionante, fantástico, genial e, mais uma vez, poderosa. As pinturas no teto são o máximo que um pintor "humano" conseguira fazer.
Todos os visitantes ficam sentados olhando para cima, literalmente de bocas abertas. Além das pinturas, aproveitam para orar e agradecer por aquele momento mágico. Momento esse que, constantemente, é quebrado pelo grito dos guardas pedindo para não fotografar.
A entrada aos museus custa 15 Euros. Estudante pagam 8 euros.