Seguro

sábado, 9 de abril de 2011

Cachorros, não me mordam !

Nada a declarar !
Importante: esse texto é apenas uma análise bem-humorada sobre a relação homem-cachorro. Para manter minha integridade física, assinei um documento em cartório declarando que gosto de cachorros. Entendido ?


Não sei o que é pior: falar que é ateu ou racista ou que não gosta de cachorro !
A coisa para os lados das pessoas que não tem lá muita simpatia com os bichos peludos de 4 patas não está muito boa.
Nos dias de hoje, falar mal de um cão é tão feio quanto xingar a mãe, bater no padre ou derrubar o bolo da noiva.
Ser cachorro é melhor do que ser gente.
Basta você fazer algum comentário, uma crítica mínima contra um cachorro e pronto: já leva uma espinafrada.

Um vizinho acabou de se mudar com 2 grandes cães. Um deles, é de boa. O outro, late e chora o dia todo !
Nem precisa dizer que os donos ficam fora o dia todo e não escutam seus filhos. Resolvi comentar o caso com algumas pessoas… Erro meu.
Escolhi pessoas que amam cachorros. No final da conversa faltou pouco para não sai como culpado da história. Uma delas sugeriu que eu me mudasse de casa !
E olha que eu não lato.

E os donos de cães meio que formam uma confraria, uma seita secreta onde um defende o outro. Acho que existe um código secreto entre eles. Um olha para o outro e faz algum sinal. Pronto, esse tem cachorro. Está protegido.

Pena mesmo sinto dos namorados cujas companheiras são fanáticas por cães:

Se o cão faz xixi no tapete é um safadinho que quer chamar a atenção.
Se o namorado erra o alvo no banheiro, é um tonto sem mira.
Se o cachorro quebra o vaso é porque ele está nervoso.
Se o namorado quebra o copo é porque não presta pra nada, nem para beber água…

A namorada acostumou a beijar o cachorrinho na boca. O namorado se conformou em beijar a boca do cachorro por tabela.

O cachorro late alto e o máximo que ele escuta de bronca é: quieto lindo.
O namorado resolve aumentar o volume da tv durante o jogo: abaixa essa merda, cretino.

O que eu admiro nos donos dos cães é a paciência e a falta de bom senso. Dia desses, na fila do mercado, ouvi um pai falar para o filho: o Rex tá soltando muito pêlo. Ontem a porta da lavanderia abriu com o vento e a minha manteiga ficou cheia de pêlos.
Ele falava e ria enquanto eu tentava manter o lanche quieto no meu estomâgo. Manteiga peluda com sal no café da manhã !

Acreditem, do jeito que tá indo, logo logo os sexy-shops vão lançar uma nova fantasia para o dia dos namorados: a do scoobydoo.